Festas de fim de ano: seu pet pode participar, mas é preciso cuidado com a intoxicação alimentar.

Fim de ano pode ser sinônimo de comilança para muita gente. Mas, ainda que seja importante não cometer muitos excessos, quando se trata de animais de estimação o cuidado deve ser redobrado. É justamente nesta época que os casos de intoxicação alimentar entre os pets aumentam – são muitas as comidas que podem fazer mal aos bichinhos. Por isso, é preciso estar muito atento ao que cachorros ou gatos irão ingerir para que a festa não acabe mais cedo.

O hábito de dar aos pets sobras da ceia de fim de ano é um dos grandes responsáveis pelo aumento do número de intoxicações. Isto porque nem toda comida faz bem a eles – alguns alimentos são, inclusive, proibidos, podendo gerar complicações ainda mais graves. É o caso de uvas e uvas passa, que podem causar nefrotoxicidade, e de temperos como cebola, que podem ser responsáveis pelo desenvolvimento de anemia, por exemplo.

Carambola, sementes de maçã e pera e noz-moscada são grandes exemplos de comidas que não devem ser dadas de forma alguma aos pets. Além delas, a macadâmia, presente em muitas ceias de Natal, é altamente contraindicada, podendo causar gastrite e paralisia temporária de membros pélvicos dos animais”, explica a veterinária Raquel Silas, veterinária do My Pet.

É importante ressaltar, no entanto, que não é apenas durante Natal e Réveillon que os cuidados com a alimentação dos pets devem ser tomados. De acordo com Raquel, o chocolate, tão presente no dia a dia da maioria das pessoas, é um dos principais riscos quando se trata da saúde de cães e gatos. “Ele pode ser considerado o grande vilão da alimentação dos pets. Ele pode causar vômito, diarreia, hematoquezia, excitação, tremores, febre, taquicardia e, até mesmo, convulsão e coma - reações causadas pela presença de cafeína e teobromina”, diz.

Manter uma alimentação regrada e balanceada é extremamente importante para garantir a saúde e a qualidade de vida do pet. Por isso é recomendado manter uma rotina alimentar baseada principalmente em rações, onde encontra-se a variedade e a quantidade de nutrientes necessárias concentradas em um só alimento.

Se ainda assim o tutor quiser variar os alimentos oferecidos ao cão ou gato, há ainda a opção de petiscos industrializados ou comidas naturais, preparadas de forma específica para os pets. No entanto, é importante frisar que a alimentação natural deve ser balanceada e acompanhada por um médico veterinário. “Se o seu pet não tem costume de comer uma alimentação natural, não ofereça nada que saia da dieta de costume”, conclui Raquel.

Caso o pet coma algum alimento fora do seu costume durante as festas de fim de ano e apresente comportamento diferente ou sintomas como diarreia e vômito, não deixe para depois, chame o My Pet. Estamos prontos para atender 24h por dia, 365 dias ao ano.

Mais Notícias

Você sabe quando deve vacinar seu pet?

Leia mais

Consultas veterinárias regulares protegem seu pet

Leia mais

Conheça a Dermatovet: nova parceira My Pet

Leia mais