Consultas veterinárias regulares protegem seu pet

Ter um pet em casa é sinônimo de receber muito carinho e amor. Mas também representa a necessidade de ter atenção redobrada, afinal, para garantir o bem-estar e a saúde deles, é necessário despender de cuidados específicos, como por exemplo consultar regularmente o veterinário – hábito que exerce papel de grande importância para garantir a qualidade de vida dos bichinhos sob tutela humana.

É comum encontrar quem acredite que a ida ao veterinário só é necessária quando tutores detectam algo de errado com a saúde de seus pets. Visitar o médico de forma periódica pode ser, ao contrário, a solução para evitar doenças futuras, ou ainda detectar algum problema, como a presença de bactérias ou parasitas, logo no início, facilitando o processo de tratamento.

Daniel Cooper, médico veterinário e diretor de operações da My Pet, esclarece que é comum que em determinado estágio da vida algumas doenças acometam os animais. "Infelizmente, quanto mais tardio o diagnóstico, menores são as possibilidades de estabilização ou até mesmo remissão de algumas doenças. Levar os pets regularmente ao veterinário pode ser um fator determinante para o reconhecimento precoce de alterações na fisiologia e direcionar um tratamento antes mesmo da manifestação clínica apresentada", explica, deixando claro que prevenir sempre será o melhor remédio.

Em condições de saúde normais, existem intervalos de tempo ideais a serem respeitados entre uma e outra ida ao veterinário. Nos primeiros seis meses do pet, quando ele ainda é considerado um bebê, são indicadas visitas mensais para acompanhar o desenvolvimento. A partir dos sete meses, período no qual o animal de estimação já passa a ser considerado jovem, a frequência cai para uma média de uma vez por ano.

O pet passa a ser tratado como adulto a partir do primeiro ano de vida e idoso a partir dos sete anos de idade, na maioria das raças. Nesse momento, em que o o envelhecimento do organismo leva a um da fragilidade, o aparecimento de doenças é mais propício. Assim, recomenda-se levá-lo ao veterinário uma vez a cada seis meses. Este hábito pode ser determinante para prolongar a vida do animal de forma saudável.

Os estágios de vida dos animais variam muito de acordo com o porte e raça de cada um, porém há uma estimativa média sobre as fases de vida dos cães e gatos que não ultrapassam muito os limites de referência padrão. 

De acordo com Daniel, independentemente da idade exata, animais filhotes estão mais propensos á serem acometidos por doenças infecciosas, uma vez que está na fase de desenvolvimento imunológico, com a transição entre a diminuição da imunidade materna para a formação da própria imunidade. "Por este motivo, o acompanhamento com maior frequência se torna muito mais necessário nesta fase. Já como adultos, assemelha-se à necessidade de checkups anuais dos humanos, sendo que nesta fase o organismo deles está no maior perfil imunológico e menos susceptível a determinadas doenças", afirma ele. 

O veterinário completa que na fase idosa, além ocorrer uma diminuição da imunidade, também há o envelhecimento orgânico. "Estes fatores predispõem a determinadas doenças crônicas que esta idade manifesta", finaliza Daniel.

Mais Notícias

Você sabe quando deve vacinar seu pet?

Leia mais

Conheça a Dermatovet: nova parceira My Pet

Leia mais

My Pet Care agora é My Pet

Leia mais